quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Poema número cinco

Caminhos


São caminhos que me enganam assim,
São caminhos que me levam a ti
São caminhos que me prendem a mim
Ao pé do nada, onde tudo é igual…

São caminhos que te trazem a mim
São caminhos que te levam daqui
São caminhos que te tornam assim
Um quase nada, tão pouco irreal…

São caminhos que te trazem a casa
E me encostam o ego na desgraça
Junto ao nada, tão pouco natural

São caminhos que me vestem o burel
E acabam com teu tempo para mim
São caminhos que me matam assim…


PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário