sábado, 20 de novembro de 2010

Poema número dezoito

Como me perder…


Largaste a minha mão, deixaste-me fugir
E ao ver-te ao longe comecei a sentir:
O coração gelado, como as noites de Inverno
A queimar o meu peito, qual fogo do Inferno.

Sempre que nos lembro, lembro-me de ti
Se hoje não nos lembro, também não nos esqueci
Perdi-te no tempo, sem nunca te perder
Venci duras batalhas, sem nunca as vencer…

Ao lembrar o teu beijo, ao sabor do luar
As ondas, a areia, o brilho em teu olhar
Olhando-me nos olhos, com medo de me perder
Perdendo-me no tempo, sem se aperceber…

É um erro dizer, que um dia te perdi
Pois o Sol que me beija, também te beija a ti
E o ciúme que dele sinto, não me traz nenhum mal
Pois a mim eu não minto: estaremos juntos no final.

PedRodrigues

1 comentário:

  1. Lindíssimo Pedro!
    Muito bem!
    Continua assim
    Besito doce lindinho
    ;)

    Amordemadrugada

    ResponderEliminar