quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Poema número sete

Bem-vinda à luz


Bem-vinda, meu amor
Bem-vinda, ao meu palácio
Bem-vinda, ao meu espaço
Bem-vinda, ao teu espaço
Ao calor de nosso regaço.
Bem-vinda, minha amada:
Escolheste o melhor tempo
Para entrar no meu templo;
Bem-vinda, minha Rainha
Rainha deste castelo;
Rainha das terras além-mar;
Rainha de meu coração;
Rainha de seu pulsar;
Bem-vinda a este rubor,
Desta estrela que reluz
Bem-vinda ao nosso Amor
Bem-vinda à nossa cruz…



PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário