segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Reflexões a quente

Para perceberes que te percebo:

És um caso raro. Fascinas-me por seres como és. Eu sou uma pessoa complicada. Fascino-te por ser como sou. A nossa história é simples: rapaz conhece rapariga, beijam-se, rapariga apaixona-se por rapaz, rapaz luta contra esse sentimento, rapariga fica triste, rapariga tenta esquecer rapaz, rapariga procura novo rapaz, rapariga começa a namorar com novo rapaz, rapaz fica triste, rapaz segue a sua vida, rapaz não esquece rapariga… Anos depois… Rapaz perde o medo, rapaz declara-se a rapariga, rapariga acaba com novo rapaz, rapaz e rapariga podem ficar juntos finalmente, mas… Agora rapariga tem medo de rapaz. Como vês… Tudo muito simples.
Quero com isto dizer que compreendo o teu medo em ficar comigo. Compreendo que já te desiludi, que já te fiz sofrer… Mas, agora, anos depois… Estou mais maduro e não tenho medo de dizer que é em ti que aposto para nunca mais perder. E tu sempre apostaste em mim e nunca me esqueceste. Nunca me esqueces… E isso assusta-te. E pensas para ti que o que sentes por mim é o Inferno. Mas, quando estás comigo sentes-te no céu. E eu faço-te falta. Como nunca ninguém te fez e nunca ninguém irá fazer. Como temes ter uma relação comigo. Como temes que o que sentes agora por mim – que por si só já te assusta – cresça de forma exponencial e que uma relação comigo seja o catalisador para que tal aconteça. Temes entrar neste ciclo de palavras, actos e eventuais “eu amo-te”. E temes sobretudo que te volte a desiludir. Que te abra uma ferida no local onde outrora morava o coração que me entregaste. Uma ferida tão profunda que te rasga corpo e alma. Que te deixa uma marca que o tempo não conseguirá apagar. Sim, é verdade. Eu não sou nenhum dos outros. Eles apenas te arranharam… Mas eu… Temes o que posso fazer, como o diabo teme a cruz. A dor que posso causar. E por outro lado… Como é bom estar comigo, como te sentes completa… Como te sentes inteira. E como é bom sorrir. Apenas sorrir… Poderias ter mil homens na tua vida e nem um te fazer sentir assim. E tu sabes disso. Tu sabes que o que tenho de mau, tenho de bom. Faço-te tão bem, mas posso fazer-te tão mal… Tenho notícias para ti: não te quero fazer mal. Deus, eu dava a minha vida para te ver sorrir.
Mas… Como se ensina uma pessoa a não ter medo? Estendemos-lhe a mão e esperamos… E perguntamos a nós mesmos: quanto tempo dura um sentimento? Pela pessoa certa… uma vida.


PedRodrigues

1 comentário:

  1. Pedro! Agora comovi-me! Grande declaração de amor/ódio!?
    Complexa, mas profunda!
    Sabes que mais!? Ensina a rapariga a ficar segura...
    pega-lhe na mão e faz com que sinta, que tu és o seu porto seguro!
    E se os diabinhos te assolarem o cortex ;9
    olha para a luz e...pensa...não só em ti...mas ....no coração...da rapariga! Vive e faz viver!
    beijo em teu coração

    ResponderEliminar