segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Reflexões a quente

Hoje não sei que escrever. Apetece-me falar dos meus amigos. Do quão importantes são. Aqueles "tais" que estão sempre lá. Que já me viram com a cara no chão. Que sabem quem sou. Gostava de lhes dizer como gosto deles. Mas não o consigo meter por palavras... Apetece-me falar do tempo. Continua agreste. É mais fácil falar do tempo. Chuva, vento e frio. Eis o resumo. Só é pena não conseguir escrever assim quando o assunto são os amigos. Tenho medo de errar. De ficar algo por dizer. Sei que me perdoam. Mas eu não me perdoo. Quem me dera que a vida tivesse um guião. Que alguém tivesse escrito o que sinto. Eu não entendo o que sinto, por vezes. Gostava de aprender a dizer o que sinto. Isso não se aprende na escola. Não vem nos livros. Nem se arranjam amigos nas páginas dos livros. Gostava de conseguir dizer "eu amo-te". Não é fácil. Prefiro usar o genérico: "eu gosto muito de ti". Também acho piada ao genérico, do genérico: "adoro-te". É por isso que tenho medo de falar dos meus amigos. Parece tudo tão falso. O genérico é a versão barata. Mas não consigo usar o original. Prefiro guardar cá dentro. Aqui ninguém me rouba. Gostava que eles soubessem que os amo. Gostava de o conseguir dizer. Mas tenho medo de ser roubado. Deixo ficar cá dentro. Como é fácil falar do tempo. Não há cinismo quando se fala da chuva. Detesto este tempo. Já acreditei mais que o mundo não ia acabar. Talvez acabe. Nada é eterno... Só gostava de poder dizer aos meus amigos como gosto deles. Já que estou no corredor da morte, este é o meu último desejo. Será que a vida não tem um guião? Ás vezes sinto-me uma personagem dum drama. Quem escreveu isto tem mesmo mau gosto. Ou serei eu que não entendo as deixas?


PedRodrigues

2 comentários:

  1. Se não sabias o que escrever e te saiu isto, parabéns, está óptimo !

    ResponderEliminar
  2. Tás lá miúdo, amigos são isso mesmo, e muito mais. A escrita em prosa tb tem a sua beleza, embora não haja rima, tá tudo lá, continua assim e vais descobrir que o que julgas ser as tuas maiores fraquezas um dia vais saber como as usar e tornares-te muito mais forte.
    Abraço.

    ResponderEliminar