quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Reflexões a quente

Estive a sul do Paraíso. Não gostei. Vi uma rapariga com quem partilhei bons bocados no sábado. Aqueles olhares. Os toques. A dança. Os olhos fechados, a ouvir a música. Hoje estava com outro. O pior eram os olhares de escárnio. A rejeição torna-se em tortura. A sul do Paraíso é assim. Até a água se torna em veneno. Não a quis. Agora ela esfrega-me outro na cara. Aposto que é menos interessante que eu. Os meus amigos diziam que ele parecia um bocado labrego. Todos somos assim. Quando estamos de fora, os outros nunca nos chegam aos calcanhares. Mas a verdade é que quem está no Paraíso são eles. Quem me dera provar a maçã. Todas as mulheres têm uma Eva dentro delas. Quem me dera ter um Adão dentro de mim. A verdade, é que estou mais vezes a sul do Paraíso. Se já pisei o Paraíso não me lembro. Mas já estive nas nuvens. Será que há maçãs no Paraíso? Gostava de provar. Dizem que é o fruto proibido. A mim, parece-me um fruto impossível. Adorava provar as maçãs do Paraíso. Detesto viver pelas regras. De me sentir com pudor. A sul do Paraíso até a chuva queima. A sul do Paraíso não devia existir pudor. Mas a sul do Paraíso até os olhares matam. Adorava esquecer a rapariga. Mas o sorriso dela não me sai da cabeça. Detesto sentir-me assim. Deslocado. Quem me dera amar do lado direito. Às tantas, a sul do Paraíso ama-se mesmo do lado direito. Às tantas eu não amo. Nunca amei. Mas sinto-me mal na mesma. Não entendo. Quem me dera provar a maçã. A sul do Paraíso, a Eva é puta. Os sorrisos matam. Realmente, não sou herói. Os heróis estão no Paraíso...


PedRodrigues

1 comentário:

  1. Pois é puto!!! Só te digo uma coisa esta esquina essa sim era a esquina certa :P

    ResponderEliminar