sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Reflexões a quente

Quero que a minha vida seja um livro aberto. Hoje a noite foi tumultuosa e cheia de dilemas do coração. Não sou uma pessoa fácil de amar. Mas, na verdade, não deixo de ser amado. Nasci humilde, mas não hei-de morrer hipócrita. Falsas modéstias não colam. Sou um desastre com as mulheres, não sei falar de amor, mas de tantas vezes que errei, em alguma coisa hei-de acertar. As mulheres na rua não dizem "Ui que gato" insistentemente, mas já fui para a cama com muitas, apenas com um olhar. Não se confundam, o olhar não era meu. Detesto quem prega a amizade e manda facadas nas costas. Os amigos são amigos e protegem-se. Está escrito algures no corpo de cada homem. Não traio os meus amigos, mas levo facadas deles. Não caio no campo de batalha e sigo com cara de quem está bem. Não estou! A minha vida não é fácil. Não me dêem como dado adquirido. Sofro e mostro um sorriso. Só isso. Já fui fã do Prozac, hoje a minha droga é outra. Talvez morra sem ser amado por uma mulher, mas... Quem se importa? Eu importo-me. Os meus amigos não me dão tudo...Ou então, não são meus amigos - embora tenha amigos de verdade. A esses: "obrigado!" Dou o meu corpo às balas, embora só veja pistolas. As mulheres são putas e não sabem amar. Já gostei muito e abdiquei dessa pessoa por amor. Talvez não tenha amado. O lado mais simples do quadrado é esse mesmo: nenhum. Fui à lua e vim. Não fui rei. Não quero ser rei. Adorava ser feliz, sem  Prozac. Adorei dar um soco, senti-me livre. Gostava de ter dado mais. Maldito vinho e malditos comprimidos. Fui travado por eles. Vejo mulheres interessantes, capazes de me amar. Adorava ir à lua. Mas a puta da terra é tão atractiva. É esse o problema das putas: todos as queremos foder. Adoro dizer asneiras e sentir-me livre. Adorava amar a puta que não há em mim. Amo cada mulher como se não fosse uma puta. Quero dar beijos na boca e dizer "I love you" como no cinema. Hoje eu amo-te, J. Ontem não te amei. Hoje eu amo-te, AnaCl. Ontem não te amei. Desculpa-me, V. O amor não é coisa de gente pequena. Hoje amo todas e não amei ninguém. Hoje, um soco foi o tirar da faca no coração. Quero ser palavras: substantivos, predicados e advérbios de modo. Hoje eu vi-te, J. Hoje doeu. A vida é curta, como um soco. A vida é simples como um jogo. Hoje amei e não lutei. Mentira. Nasci lutador, não amante.
"Que se foda o destino", obrigado primo.
"Que se fodam as mulheres", obrigado mulheres
"Que se foda o amor", foda-se que mentira!
Nasci puta e não sei dar beijos na boca. Obrigado por me foderes, volta mais tarde.
O relógio bate as seis e eu continuo a amar. Não nasci uma boa puta, pelos vistos.


PedRodrigues

2 comentários:

  1. Olá Pedro!
    Já acompanho as tuas publicações há algum tempo, mas hoje resolvi comentar.
    Falas de amor... Vives na cidade de Pedro e Inês. O amor mais romântico que Portugal já conheceu!
    Vários poetas já falaram sobre o tema e nunca nenhum conseguiu exprimir a profundidade de tudo o que sentia. Assim vai acontecer contigo um dia. Quando menos esperares, a tua princesa vai-te "enfeitiçar" e, sem que queiras, vais-te ver envolvido na trama da vida, sem conseguir sair. E não vais querer sair!
    "Amar não é o que queremos sentir, mas o que sentimos sem querer".
    É assim que vejo o amor... Partilhado e completo.
    Dizem que os principes e princesas estão no final do arco-íris! Vou até lá procurar.
    Fica bem.
    Beijo

    ResponderEliminar