quinta-feira, 10 de março de 2011

Amor próprio, ou: cinco maneiras de gostar de mim por instantes

Perguntei: "Que fazes?"
Respondeu: "Acaricio-te"
Uma sensação estranha percorria-me o corpo. A dificuldade em controlar-me era imensa. O toque dela era suave e delicado. Naquela zona em especial sentia-lhe com maior clareza a suavidade da pele. Cada movimento me fazia vibrar. Primeiro devagar, com calma, lentamente até aquecer. Levando o tempo necessário para que todos os músculos se sintonizassem; para que todos os pêlos fossem avisados do choque que os faria levantar em breve. Sem pressa de cruzar a meta, porque convenhamos a pressa é inimiga da perfeição. Nada de movimentos bruscos no início. Devagar para lhe sentir o calor - que naquela zona parecia dez vezes superior. Para lhe sentir cada milímetro de pele que me comprimia o... O corpo começou a contrair-se com a forma abrupta com que se passava de um regime de movimentos lentos para um regime de movimentos uniformemente acelerados. Os dedos dos pés começaram a dobrar-se. Os movimentos eram cada vez mais acelerados, cada vez mais intensos. O corpo respondia com uma cascata de suor. A respiração era cada vez mais ofegante. O coração acelerava na autoestrada do extase. A meta estava próxima. Os olhos começavam a cerrar-se devido à explosão que estava eminente. Um, dois, três: chegámos ao destino. Um arrepio - não de frio, ou de medo, algo diferente - percorria-me o corpo. Uma sensação de alívio em cada músculo. Os olhos abriram-se e os dedos dos pés já não estavam comprimidos. Os pêlos que se levantaram com a explosão - eu bem que os tinha avisado - deitaram-se novamente. Uma sensação de leveza emanava de cada poro. A cabeça tinha voltado ao activo, após momentos de pouca clareza - algo que é normal quando o sangue tem sítios mais importantes para visitar que o nosso cérebro. A repulsa voltou-me ao corpo e à mente. No entanto, eu felicitei os bons minutos que passámos juntos: "Obrigado!"
Respondeu: "Estou sempre aqui para te fazer feliz. Nem que seja por instantes..."


PedRodrigues

1 comentário:

  1. 1ª visita aqui ao blog e já me rendi, que escrita fantástica, voltarei...

    ResponderEliminar