quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Croniquinha feita de dúvidas


Não consigo. Juro que não consigo. Aliás, não entendo. Juro que não entendo. Que queres que faça? Queres que sorria? Que queres que te diga? Preferes que te minta? Não consigo. Apetece-me escrever e não consigo. Apetece-me dormir e dou voltas na cama até adormecer por segundos e acordar sobressaltado com um barulho qualquer. Que queres que faça? Tento apagar-te. Tento apagar-nos. Está tudo bem. É tudo muito bonito. Acabámos, é um facto. Cada um para seu lado. Cada um estilhaçado para o seu lado. Cada um no seu canto a lamber as suas feridas. Ninguém nos pode tirar o mérito. Tentámos. Levámos as coisas até onde pudemos. Caminhámos lado a lado e fomos construindo o nosso caminho. Fizemos a nossa cama e deitámo-nos nela. A vida foi bonita enquanto estivemos bem. A vida continua bonita agora que não estamos. Cabe a cada um de nós abrir os olhos. Cabe a cada um de nós acordar. A vida continua bonita mesmo quando não estás comigo. Mas que queres que faça? Continua bonita, só isso. Continua a passar por mim e continuo a vê-la passar cá do meu canto. Sinto-me indestrutível por dentro, enquanto o mundo se desmorona lá fora. A verdade é que me sinto feito de ferro. A verdade é que até o mais forte dos ferros acaba por vergar com o tempo. O tempo pesa, mas o tempo demora. E neste momento tu ainda dóis bastante. Bastante, mesmo. Juro que não entendo como seguiste em frente sem mim. No meu canto o tempo passa com os segundos, e os segundos duram eternidades – que o digam os minutos. Não consigo. Juro que não consigo. Ainda tentei escrever algo alegre, mas é difícil esquecer os males que nos atormentam. Especialmente quando esses males dormem connosco, jantam connosco, almoçam connosco. É difícil. Não sei como conseguiste seguir em frente. Não sei se o tempo acelera quando lhe pedes. Um dia julguei que eras tu que controlavas o tempo. E nesse dia senti-nos indestrutíveis, enquanto o mundo teimava em desmoronar-se à nossa volta.

PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário