quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Física Quântica

Amor, 

Lembrei-me de ti no outro dia, enquanto folheava um dos meus livros de física e o título “Entrelaçamento Quântico” me fez parar um pouco, respirar, e perder-me em concepções românticas de textos e frases. Segundo o que li, o entrelaçamento quântico é um fenómeno da física quântica em que dois ou mais objectos estão de alguma forma tão ligados que um não pode ser descrito sem que o outro seja mencionado. Pode haver um universo a separar esses dois objectos, essas duas partículas, esses dois bocados ínfimos de matéria, mas eles estão tão ligados que, as medidas utilizadas num influenciam instantaneamente o outro. Algo deste género, quase surreal.
Ao ler isto, vezes sem conta, senti-te em mim. Senti-te nas minhas veias, a percorreres desenfreada o meu corpo. E apesar de desafiar toda a lógica e toda a razão, acreditei que eras realmente tu que vivias em mim. No início fomos partículas no vazio, interagindo e movimentando-nos em uníssono. Fomos partículas até o universo explodir e os sistemas evoluírem, cada um à sua maneira. Nós evoluímos com eles. E aqui estamos, tempos após o início dos tempos. Matéria da mesma matéria. Carne da mesma carne. Sangue do mesmo sangue. Não há razões para crermos que alguma vez perdemos o nosso entrelaçamento quântico – ao que parece, isso é algo que não se perde. Hoje, quando digo que me perco em ti, ou que te sinto perdida em mim, quando te digo que  te conheço desde o início dos tempos, digo-to com razões para crer que assim o é. Que há algo, para lá da própria lógica, que prova que estou certo.
Um dia fomos partículas a dançar um tango no vazio. Há partes em mim, átomos que fazem parte de mim, que continuam essa dança e te procuram, todos os dias, através do espaço e do tempo.

Estamos juntos desde o início,
Estaremos juntos até ao fim.


PedRodrigues



1 comentário:

  1. O amor não é tácito, o amor não é uma palavra repetida vezes sem conta.
    O amor dá-se e recebe-se em cada palavra, em cada atitude, na forma como se brinca…o amor faz-se sentir, constrói-se e destrói-se.

    ResponderEliminar