sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Conversa (estranha) com a minha confusão

 
-Não sei o que se passa comigo.
No espelho a minha imagem fragmentada entre os pingos de água gelada. As rugas e as olheiras das noites mal dormidas. Tantas dores perpetuadas nessas rugas e nessas olheiras. No espelho, eu. Aqui, diante do espelho, eu.
 
-Juro-te que não entendo o que se passa comigo. Há três noites que sonho com ela. Três noites em que acordo e sinto o vazio dela ao meu lado na cama. E o pior não é o vazio que ela deixou. São as imagens com que tento preencher esse vazio. Os cheiros que carregam essas imagens. Tudo. Tudo me lembra que um dia ela e eu, eu e ela fomos a primeira pessoa do plural.
 
(-Tens saudades dela? É isso?)
 
-Não sei. A verdade é que nesta coisa dos amores feridos mortalmente eu sou apenas mais uma vítima. Aqui me estendo. Aqui fiquei. Sabes, acho que por vezes confundimos as coisas – por vezes? Tantas vezes... Às vezes confundimos a saudade daquele amor que um dia partilhámos com aquela pessoa, a pessoa que julgávamos ser a metade certa, com o medo de vivermos o resto da nossa vida sem encontrarmos essa metade certa. Se me perguntasses, há um ano, se tinha saudades de algum dos meus amores passados dir-te-ia, com toda a firmeza do mundo, que não. Naquele momento, nenhum amor interessava a não ser aquele amor. Naquele momento tudo fazia sentido.
 
(-E hoje?)
 
-Hoje nada faz sentido. Hoje penso se um dia encontrarei alguém que compreenda a minha confusão. Ou que, pelo menos, não tenha receio de a partilhar comigo. Neste momento penso se haverá alguém que encaixe em todas as minhas imperfeições. Que entenda as cores do meu arco-íris. Que seja bela, como ela era, e ao mesmo tempo desafiante. Ainda há pouco ouvia a Spanish Sahara dos Foals e me lembrava dela. Foi ela que me mostrou a música pela primeira vez. Nesse momento em que os primeiros acordes começaram a tocar consegui vê-la debruçada sobre o meu computador, as luzes do quarto apagadas e os olhos dela a brilharem com a luz do ecrã. Consegui sentir o cheiro do champô dela. Juro que consegui.
 
(-Será que já a esqueceste, realmente?)
 
-Se te disser que a vejo em todo o lado, acreditas? Até as sobrancelhas desalinhadas eu consigo ver. Sim, que ela tinha aquela mania irritante de as arrancar compulsivamente com os dedos. Lembras-te?
 
(-Claro que me lembro...)
 
-Gostava de te poder dizer que, de facto, já a esqueci. Durante algum tempo julguei que sim. Mas acho que é bom que ela continue viva no meu pensamento. É algo que, apesar de parecer paradoxal, me dá alento. Uma lembrança de que um dia fui feliz ao lado de alguém, e que um dia poderei voltar a sê-lo.
 
(-Mas não tens medo que isso venha a ser apenas uma lembrança para o resto da tua vida? Não tens medo que essa tenha sido a tua última hipótese de seres feliz?)
 
 -Sabes, uma das coisas que mais me fascina na nossa vida é esta imprevisibilidade dos factos: o que hoje parece eterno, amanhã já acabou. É fascinante e ao mesmo tempo apavorante e trágico. É esta adrenalina de não saber o meu lugar no mundo, de não saber o plano que me está reservado, e ao mesmo tempo esta esperança, este crer, esta fé que tenho em encontrar a minha tempestade perfeita, que me faz continuar de sorriso no rosto.
(-Mesmo quando te lembras que há um ano estavas muito mais feliz que hoje?)
 
-Mesmo nesses momentos. Mais nesses momentos. Reinvento-me, descubro-me, entendo-me. Sou um ser em construção – como todos somos. Tenho os meus objectivos. As minhas batalhas particulares. Talvez daqui a um ano esteja feliz - bastante mais feliz. Talvez daqui a um ano esta fase seja só mais um capítulo de um livro. E eu sonho escrever livros, tu sabes disso.
 
(-Sei.)
Passo novamente as mãos pela cara. A minha imagem continua reflectida no espelho. Sorrio.
 
-Obrigado por me ouvires.
 
(-Lembra-te: nem quando estás sozinho, estás totalmente sozinho.)
 
A nossa busca pela tempestade perfeita, a metade certa, continua.
Onde quer que estejas, nós estamos aqui.
 
PedRodrigues

4 comentários:

  1. Wow Pedro, percorro o teu blog e desconfio sempre que publicas os desabafos do meu sub(in)consciente.

    ResponderEliminar
  2. Acho que me debrucei sobre o mesmo espelho...

    ResponderEliminar
  3. Nunca podemos prometer amar para sempre porque para sempre é muito tempo e... o que hoje é eterno amanhã já não o é ;)

    Não és o único que fala com/de confusão.

    Obrigada pelas partilhas.

    ResponderEliminar