quinta-feira, 17 de abril de 2014

Poema sobre a inevitabilidade do tempo


Devagar o tempo muda.
O vento muda.
As vontades mudam.

 
Devagar um momento de dor torna-se numa recordação penosa.
Uma recordação penosa torna-se numa conversa de café com uma nova paixão.
Uma nova paixão torna-se num novo amor.
Devagar esse amor vai crescendo
Eu vou crescendo e tu vais crescendo comigo. Amamo-nos.
Agora somos amor, amanhã talvez continuemos a ser amor
Vamos vivendo devagar, seguindo os caprichos do tempo
Seguindo a ordem dinâmica das coisas
Cada um no seu referencial
Hoje amamo-nos
Amanhã voltaremos a amar-nos – espero.

 
Devagar somos fotografias na estante
Os miúdos brincam pela casa
Olham-nos como se nunca tivéssemos sido crianças
(Mas fomos, lembras-te?)
Devagar o tempo também passará por eles
Devagar os miúdos deixarão de ser miúdos e também eles terão miúdos

 
Devagar seremos recordações
Apenas recordações
E eu pergunto-me:
Como é que o tempo passou por nós tão depressa?
Ainda ontem estávamos no café
Ainda ontem te beijava pela primeira vez
(Perdi a conta aos beijos que te dei ao longo do tempo)
Hoje partilhamos as rugas e os cabelos brancos
Partilhamos o nosso amor
Hoje, depois de tanto tempo, continuo a amar-te

 

 

PedRodrigues

 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário