quinta-feira, 16 de abril de 2015

Ela

O que mais me atraía nela, não era o sorriso cor de pérola ou a forma como lançava uma gargalhada fácil, nas situações mais embaraçosas. Não era sequer a forma como por vezes me olhava: perdida em não sei quantas concepções e cenários românticos montados por dentro. Há mistérios que não têm solução. Silêncios que pertencem ao silêncio e não podem ser quebrados. Creio que era isso que me mais me prendia a ela. Esse mistério. Como por exemplo, a sua cor favorita serem as ondas. Ou tudo aquilo que não fazia parte desta geração, tudo aquilo que não era do nosso tempo, lhe assentar como uma luva. Há pessoas assim: incomuns. Gentes curvas, num mundo recto. Feitas de pequenas partes de matéria, que parecem não fazer qualquer sentido e, no entanto, arrastam-nos e absorvem-nos como se fossem uma necessidade que precisamos de satisfazer. Ela era uma dessas pessoas.
 
PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário