terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Inverno


Era um fardo terrível carregar o peso morto dos amores passados no coração.
Então decidi dar descanso às noites mal dormidas e às recordações estúpidas. Já não procuro o que de mim quis partir.
Mendigar não é opção.
Estender a mão não é opção.
Dar a outra face não é opção.
Avanço. Como as ondas de inverno em direcção à areia.
Procuro. Porque as lágrimas choradas nunca fizeram subir as cotas dos rios.
Vou. Sem rumo definido, ou hora de chegada. Porque os maiores tesouros são encontrados em velhos naufrágios.
Liberto. Porque a melhor arte nasce dos corações livres.
Resolvo. Porque prefiro ser pedra, que pó de giz atirado ao vento.
E parto as amarras que os outros teimam em inventar para me prender ao chão.
Ninguém ensinou os pássaros a voar.

 

 
PedRodrigues

 

1 comentário: