quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Ela



Ela é demasiado teimosa para não ser livre. Podes ver pela forma como ela se mete em bicos dos pés, a dançar de braços abertos, sem se preocupar com as correntes do mundo. Ela sabe que por dentro somos leves como as penas dos pássaros, e podemos ir para lá do horizonte do olhar. Ela é como os primeiros raios de sol das manhãs teimosas que tentas tapar com as mãos e, mesmo que muito tentes, ela acaba por te entrar pelos olhos sem permissão e ficar a morar em ti.  Ela faz tudo menos seguir as regras: é o doce e o amargo que se espalha pela tua boca até se despenhar no teu centro. Ela é o sorriso do começo, a lágrima do fim, a ferida e a cicatriz que te faz meter em causa todos os futuros. Ela é, no fundo, todas as estações no mesmo dia: pode acordar no verão e adormecer no inverno. Como te disse, ela não segue as regras. E tu vais pensar se será uma sorte ou um azar teres alguém assim. Alguém que, como uma montanha-russa, te leva entre a vertigem do incerto, e a certeza do chão que julgas precisar pisar. Mas ela é mesmo assim e vais acabar por aprender que, como ela, diante do precipício não precisas de olhar para baixo. Como ela, deves aprender a confiar. O céu pertence aos que sabem ter asas de voar. Ela sabe-o. E tu?



PedRodrigues

1 comentário: