sábado, 28 de abril de 2018

Ofélia

Quando me perguntam, em jeito belicoso
como te atreves a falar de amor?
como se eu fosse louco
logo a mim
eu, que não gosto de confrontos
com outros que não comigo
logo a mim
eu, que me calo e me fecho no manicómio
que é o meu corpo
(ou o que é para lá do meu corpo)
e rio
e esbracejo
e esperneio
e olho do fundo do hospício
onde habito com todos os meus monstros
eu, que me pergunto
não devemos falar de amor?
não devemos calar de amor?
hei-de morrer louco,
logo eu
que nunca soube viver as coisas de outra forma
que não até ao limiar da loucura
(especialmente o amor)

Pedro Rodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário