segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O dia em que quis vender o meu coração


No dia em que meti o meu coração à venda percebi que ele vale pouco ou quase nada. Disseram-me que os corações partidos não valem tanto como os outros.

-Quem quer uma coisa partida?

 Mostraram-me as modas atuais: os corações de pedra, os corações de ouro, os corações à prova de bala, e toda uma infinidade de derivados do coração que eu desconhecia totalmente. Expliquei-lhes que o meu não era de ferro, que não era de ouro, que não era à prova de bala e que sangrava como os outros. Riram-se de mim.

-Quem quer uma coisa estragada?

A verdade é que ninguém quer um coração estragado e eu não quero o meu coração. Não o quero. Aleija-me, magoa-me, mói-me, irrita-me. Estou farto do meu coração. Juro que estou farto. Parece que não aprende. Aliás, não aprende mesmo. Bate por tudo e por nada e às vezes acelera sem razão aparente. Acelera, acelera, acelera… Até ao ponto em que fatalmente acaba por se despenhar. Depois estilhaça-se por todo o lado: um bocado ali, outro bocado acolá e eu a apanhar os cacos. A colar tudo de novo. A colar tudo como se desta vez fosse para sempre. Nunca é.
Um dia destes falaram-me de alguém que plantava corações.

-Ninguém planta corações

Todos plantamos corações, mas nem sempre nascem os amores que queremos. Há quem os plante em conjunto e os deixe crescer em conjunto e durante esse processo os corações amam-se. Não há nada mais belo que um coração cheio de amor. Não há nada tão doloroso como um coração partido por amor. Às vezes esquecemo-nos que para dar o nosso coração, temos de receber um coração em troca. Nem todos estamos preparados para ver as coisas como elas são. Mas o mundo está aí, está à vista de todos e mesmo assim teimamos em olhar para ele e não o ver. Os nossos corações são tão cegos como os nossos olhos. Gostamos de acreditar no amor cego. E que amor será mais cego que o amor das coisas belas? O amor que é Amor vem do coração, mesmo dos corações que estão estragados, despedaçados, partidos, ou estilhaçados. O amor vem maior desses corações.

-Quem quer um coração desfeito?

Ninguém quer um coração desfeito, mas a verdade é que o mundo é feito de corações desfeitos. Até os corações de ferro um dia acabam por enferrujar. Um dia o meu coração partido será um coração chagado e nesse dia estarei disposto a deixá-lo acelerar de novo. Hoje estou fulo, irritado, mal-humorado. De maneira que hoje apetece-me vender o meu coração. Ele até pode não valer muito, pode até não valer nada, pode não ser de ferro, ou de ouro, ou outra coisa qualquer, mas não o vendo ao desbarato. O nosso desejo de amor é insaciável, mas nem por sombras ofereço (novamente) o meu coração.

PedRodrigues

(Crónica da edição de Novembro da revista Algarve Mais)

7 comentários:

  1. Um texto que é um espelho de muitos corações que não se encontram e se procuram, por mais que seja dicotómico. Ainda assim, acredito que é possível um "plantar" conjunto sem pedaços partidos. E, olha, quando esse tempo chegar o jardim será o mais bonito e dar e receber será insaciável, como dizes.

    ResponderEliminar
  2. Bem cada vez me surpreendo mais com o teu trabalho. Está lindo e dá mt k pensar, bem verdade... Muitas vezes da-mos o nosso coração, mas nao recebemos nenhum em troca, mas fazemos de conta que nao vemos isso... Parabéns. Adorei

    ResponderEliminar
  3. cura-se? gosto de dizer que sim, com aquelas colas mágicas que estão naqueles abraços fortes, tão fortes, que são capazes de segurar o mundo, de te esconder do mundo, de ser o mundo; das nossas pessoas. mas...cura-se?

    parabéns, gosto muito da forma tão...tão, como escreves.

    ResponderEliminar
  4. Não sou muito de propaganda aos meus desabafos, mas não pude evitar colar aqui este link:

    http://dez-decada-vez.blogspot.pt/2012/04/i-got-my-heart.html

    Dia 17 de Abril o meu coração aos pedaços estava para venda. Dia 1 de Outubro juntou-se o teu.
    Acho que está na altura de abrirmos um negócio.

    :)Maria

    ResponderEliminar
  5. Quem sente assim, tem grande o Coração e maior a Generosidade...quem descreve assim as emoções abarca o Mundo, enfrenta a Vida e têm sempre Mais para dar... e tenho a certeza que vai aparecer o dia com a pessoa certa para aceitar os pedaços , a ferrugem... limpar ,concertar e Amar Muito!
    Parabéns por tão Bela Prosa

    ResponderEliminar