quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Carta de agradecimento à família TEDxCoimbra 2012


Tive o prazer de, no dia vinte deste mês, participar no TEDxCoimbra. Vou-vos ser sincero: no momento em que recebi o convite da Ana, fiquei um pouco espantado. Li a mensagem duas ou três vezes até ter a certeza que todas as letras estavam no lugar e nada tinha aparecido do ar. Respirei fundo e sorri. Respirei novamente e o sorriso não desapareceu. Liguei de imediato à minha namorada – agora ex-namorada - e contei-lhe a novidade. Sentia-me a explodir de alegria e o meu corpo era a prova viva disso. Respondi à mensagem um pouco relutante. Pensava para mim: “será que eles têm noção que eu tremo só de ouvir a palavra “palco”?”. No entanto, o desafio era demasiado grande, demasiado desafiante e demasiado bom para ser recusado. Propus-me a subir a um palco e falar  para duzentas pessoas sobre aquilo que trazia cá dentro.
Nos meses que antecederam o grande dia, dei por mim a imaginar-me a falar para multidões. A inventar cenários desastrosos – uns mais que outros. Como descalçar esta bota? Como pegar numa plateia de pessoas cultas e levá-la ao êxtase? Tudo se tornou ainda mais apavorante quando recebi a lista de oradores que iriam falar no evento. Os nomes eram enormes e eu era tão pequeno no meio deles. Engoli em seco e comecei a minha jornada de preparação mental. Falei com os meus pais sobre o assunto e recebi deles a primeira injeção de confiança. É incrível como os pais nos conseguem projetar a quilómetros daquilo que imaginamos ser. Decidi descansar um pouco da ansiedade e deixei-me ficar abrigado num nirvana onde o TEDx era apenas uma miragem.
Os dias passaram a correr até ao mês de Outubro. Durante esse período recebi todo o apoio e confiança por parte da Ana e do Frederico. Foi incrível sentir como aquelas pessoas, que até ao momento eram-me completamente desconhecidas, e com as quais não tinha tido qualquer contacto físico, depositavam tanta esperança em mim. Não sei como faziam, mas à maneira deles lá iam matando as inseguranças que me atormentavam.
No dia dezanove – algumas horas antes do grande momento – tive a felicidade de conhecer o resto da família TEDxCoimbra. E é esta a palavra certa para os descrever: família. No seio daquele conjunto de pessoas há amor e carinho e um enorme respeito que não passa despercebido a quem tem o prazer de os conhecer. Ali há entrega e paixão: desde o elemento mais novo – o pequeno Tomás – ao elemento mais velho. Todos trabalham pelo objetivo comum: criar um evento sem barreiras físicas ou sociais. Todos trabalham com um altruísmo imensurável. Desde o primeiro contacto que tive com todos eles que me senti parte daquela família. E quem não gostaria de se sentir parte de algo tão especial?
Nos momentos que antecederam a minha subida ao palco vi nos olhos de todos eles a esperança que haviam, meses antes, depositado em mim. Estava desfeito em nervos. O meu corpo latejava de ansiedade e assim ficou até pisar o último degrau que me levou ao sítio onde falaria. Quando olhei a plateia a minha cabeça voltou a funcionar. Deixei-me naquele sítio. Deixei-me inteiro naquele sítio. Tinha decidido subir sem qualquer apoio. Ser o mais genuíno possível, pois esse é o mote com que vivo e escrevo. Esse era o mote da minha TED Talk. Talvez esse acto ingénuo de subir ao palco – diga-se que pela primeira vez na minha vida – desarmado e sem qualquer tipo de preparação, acabou por ditar o final prematuro da minha apresentação. Mas, naqueles escassos minutos, bombardeei o público com as emoções que guardava dentro de mim. Não tive medo de partilhar tudo o que tinha cá dentro. Acho que, nesse aspecto, ninguém me pode condenar.
Ao descer as escadas e ser abraçado pelo meu pai – que me olhava orgulhoso - ouvi da boca de alguns dos oradores, e outros membros da família, palavras de carinho e de congratulação pela minha prestação em palco. Desde então que os elogios têm vindo a multiplicar-se. Hoje sinto-me um bocadinho maior que há uns meses atrás – não muito, mas um bocadinho – e por isso tenho-vos a agradecer uma vez mais.
Sei que este texto não dirá nada a metade do público que o ler, mas é o agradecimento que precisava de fazer. Um dia fui acolhido por uma família adoptiva. Nesse dia o meu pai esteve lá e constatou esse mesmo facto. Também ele me pede para vos agradecer. Obrigado à família TEDxCoimbra: organização, oradores e performers (não meterei nomes, pois corro o risco de me esquecer de alguém.). Obrigado ao público presente. E como vos disse naquele dia tão especial: “Não tenham medo de ser felizes. Encontramo-nos por aí…”

PedRodrigues

2 comentários:

  1. Belo texto Pedro. Bem escrito e bem sentido. Emocionante e apenas posso dizer-te e escrever: sinto o mesmo que tu escreves. Obrigado meu Amigo e bem hajas pelas tuas palavras.
    Rui Munhoz

    ResponderEliminar
  2. Sábado vou falar no TEDxCoimbra. Também vai ser num dia 19!!! A Ana deu-me este link. Vejo-me no medo! :)

    ResponderEliminar