segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Montanhas-russas


No outro dia enquanto mudava os lençóis da minha cama lembrei-me de ti. Lembrei-me de ti porque vi um fio dos teus cabelos que teimava em incrustar-se no tecido. Há dois meses que não mudava fosse o que fosse neste quarto. Tinha medo de mudar-te. Tinha medo de mudar-te de lugar. Tinha medo. Mesmo sabendo que já não estás. Mesmo sabendo que já não te importas. Mesmo sabendo que não sei o que é feito de ti. Tinha medo. Mudava os lençóis e o meu coração saltava uma batida. Mudava a mesinha de cabeceira e o meu coração saltava uma batida. Guardava as nossas fotografias e o resto dos destroços da nossa relação e tu teimavas em fazer o meu coração saltar uma batida.
Nesse dia, ao falar com uma amiga, confessava-lhe

-Namorar com ela era como andar numa montanha-russa

De sorriso disfarçado entre as expressões de tristeza e indiferença que todos evidenciamos nestas alturas. Ela olhava-me com ternura e repreensão. Dizia-me

-Não sabes se lhe hás-de fazer o luto, ou correr-lhe novamente para os braços

E na verdade não sabia. Continuo sem saber. Quando julgo que te esqueço, apareces-me à frente e volta tudo à estaca zero. Tens a mania de te deixar ficar no meu peito. Tens a mania de te demorar a sair. Tens a mania de me incomodar. Namorar contigo era como andar numa montanha-russa. Era excitante, eufórico, vertiginoso e apavorante. Não namorar contigo obriga-me a ressacar por ti. De maneira que não sei o que será melhor. Não sei se te faça o luto e te enterre debaixo de sete palmos de entulho amoroso, ou te corra para os braços e te peça permissão para embarcar numa nova viagem. 

-Não sei que fazer. Juro que não sei que fazer…

A minha amiga

-Consegues imaginar uma vida inteira ao lado dela?

Eu, de sobrolho em riste, a pensar nos prós e nos contras da questão

-As montanhas-russas também cansam…

Por muito que quisesse não te conseguia imaginar ao meu lado durante uma vida inteira. Todos precisamos de estabilidade. Um dia a euforia esgota-se, a excitação torna-se em cansaço e a vertigem torna-se demasiado grande para ser suportada. Todos precisamos de um pouco de estabilidade. Todos precisamos de um factor de equilíbrio. É irónico o amor. Nem sempre aquilo que desejamos é aquilo que nos faz bem. Nem sempre aquilo que nos fascina é aquilo que nos faz ficar.

-As montanhas-russas também cansam, e eu estou cansado

O coração é irónico, tem-me dado o cérebro para equilibrar. Não sei se ainda te amo, ou se tenho saudades de te amar.

PedRodrigues

 (Crónica da edição de Dezembro da revista Algarve Mais)

8 comentários:

  1. Eu comecei a delinear um comentário para esta tua crónica. À medida que escrevia, novas ideias iam surgindo e deixei de ter um só texto. Tinha uma folha preenchida por parágrafos soltos que às tantas não tinham pé nem cabeça. Tive que te escrever em jeito de carta para me focar na tua montanha russa e não no meu carrossel.

    Olá Pedro! :)

    Espero que esta carta te encontre de boa saúde e como de costume, preenchido de inspiração! Cheio de palavras por dizer e textos por escrever!
    Escrevo-te para transmitir uma pequena ideia que trago comigo sobre loucuras. Todos nós precisamos de uma certa pitada de loucura nas nossas vidas. Nem que seja a mais pequena gota desta poção para nos fazer sorrir. Resta saber encontrá-la com as pessoas certas, nos momentos certos e em quantidade que baste.

    “A Euforia, Excitação, Novidade, Maluquice, Exuberância e Louquidão vão estar sempre presentes na minha vida! Precisam é de aparecer nos momentos certos, ao meu ritmo. Afinal sou Capricórnio… Se vens tirar a minha ordem natural das coisas, eu sou capaz de cambalear um pedaço.
    No entanto, se fores a pessoa certa, não vais deixar de me levar ao extremo da loucura. Vais ser aquela pessoa que traz a quantidade certa de desordem ao meu sistema. Vais ser o meu ponto de equilíbrio na reacção complicada que é amar.”

    Um dia Peter McWilliams disse :

    “It is a risk to love.
    What if it doesn’t work out?
    Ah. But what if it does.”

    Posto isto, equilibro é crucial. Mas arriscar e apostar na loucura fazem parte da fechadura do teu coração. Tens de encontrar a chave certa. Aquela que vai trazer o equilíbrio certo para abrires a porta aos teus sonhos, fascinando-te ao ponto de não quereres acordar.

    Nesse dia o que desejas vai fazer-te bem, o que te fascina vai fazer-te ficar e vais ter a certeza que amas sem saudade de amar.


    Fico á espera de me deixar encantar pelos teus textos num futuro próximo. Até lá..
    Beijo
    Maria

    ResponderEliminar
  2. Obrigada por este texto. Fez-me pensar no porquê das montanhas russas serem fugazes, porque nos cansamos delas*

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso !!!
    Retratos da vida de muita gente !

    ResponderEliminar
  4. Adoro a tua escrita! Continua!

    ResponderEliminar
  5. Para além do texto ser muito bonito, parece-me que muita gente se identificará com ele, e isso, penso eu, é um dos principais objetivos de escrever! Mesmo que cada um interprete à sua maneira... Faz-nos bem ver que o "nosso mundo" é também o mundo dos outros (:
    Gostei muito deste como de tantos outros, mas este impulsionou-me a transmitir o meu ponto de vista (: Parabéns!

    ResponderEliminar