quinta-feira, 9 de julho de 2015

Adeus às árvores


Digo adeus às árvores e avanço. O caminho já tem algumas folhas caídas e cheiro a terra molhada. Olho o céu e procuro os pássaros. No meu peito eles não cabem, e talvez por isso eu não seja capaz de voar. Pergunto-me várias vezes por que motivo continuamos a fazer as mesmas coisas, a repetir os mesmos erros. Talvez percamos demasiado tempo a combater os monstros que vivem dentro de nós. Uma voz aponta-me sítios que havia esquecido. Um dia fui jovem e a minha única preocupação era viver tudo de uma vez. E de tanta pressa ter, perdi a noção do espaço e do tempo. As manhãs nasciam com cores que hoje não lembro; as noites acabavam com os copos vazios e uma nova paixão de bolso. Amores foram passando, sem que nunca prestasse verdadeira atenção aos contornos dos seus lábios. Talvez nunca lhes tenha dado a atenção devida. Era jovem e parvo. Nunca tinha percebido a verdadeira beleza de acordar de manhã com alguém que amamos ao lado. Agora talvez me falte o tempo para procurar novamente essas cores que um dia foram minhas e não soube guardar – tal como ela. Agora o cheiro do Verão desapareceu. Só espero ir a tempo de sentir a Primavera. Ver o desabrochar das flores; ouvir o canto das andorinhas; aguardar que as lagartas saiam borboletas dos casulos; transformar-me.
Amanhã acordarei antes do sol nascer. Quero guardar-lhe as cores, enquanto te tenho ao meu lado. Nesta vida estamos condenados à dolorosa passagem do tempo. Talvez daqui a uns anos não acorde com dores no peito. Dizem que a saudade é isso: um aperto no peito. Estamos sempre a aprender.

 

PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário