sábado, 13 de fevereiro de 2016

Dia 13, também é Dia dos Namorados


Meu amor,

Meu céu estrelado de Julho. Minha manhã líquida, e outras texturas, de Março. Certeza serena nesse mar imenso de dúvidas. Dúvida permanente na batalha das certezas rotineiras. Meu filme de Inverno, entre mantas e bebidas quentes. Minha dança alegre em noites entornadas até o sol nascer no horizonte dos nossos olhos. Minha praia: onde as ondas do meu mar teimam em voltar. Meu regresso. Minha viagem. Senhora com quem partilho as minhas palavras, os meus amuos, as minhas tristezas, as minhas questões mais banais. Meu mapa. Meu ponto cardeal. Minha bússola. Minha estrela polar. Meu norte. Meu ponto de encontro. Minha perdição. Sei lá, meu amor, se não serás tudo mais. Meus dias. Minhas noites. Anos, semanas, horas, minutos, segundos. Não sei, meu amor, mas tenho a certeza: se em tudo o resto te escondes, o que sobra do mundo para não amar? Meu ciclo vicioso. Início, meio e fim. Meu ponto final, meu amor. Meu ponto final.
Teu,
Pedro

1 comentário: