sexta-feira, 15 de abril de 2016

Lisboa, nos dias feios


Os chapéus de chuva escondem rostos chateados, avançando sobre pernas apressadas. Há quem dance, com o vento, imitando os ramos das árvores. As velhas amaldiçoam os motoristas dos autocarros que, a custo, engolem os insultos e os horários, sem darem resposta. O céu de chumbo parece demasiado pesado para continuar a ser céu, e por vezes acaba por cair sobre as cabeças dos mais distraídos. Nos semáforos os carros apitam, porque entre a origem e o destino há uma estrada demasiado longa. Nos dias feios, as pessoas parecem não ligar à beleza da cidade. Desconfio que nunca olharam bem o recorte fino das nuvens no horizonte do Tejo. Os jeitos infantis dos pingos a caírem sobre as velhas estátuas. A beleza sórdida no cheiro do asfalto oleoso molhado: um afrodisíaco citadino. Os quadros pintados nos vidros espelhados dos edifícios, uma espécie de ode aos tons cinzentos dos filmes antigos. As flores arrebitadas nos vasos das varandas ancestrais. Lisboa é uma cidade bonita, mesmo nos dias feios. Só é preciso saber parar um pouco: respirar, olhar, escutar. Esquecer, por segundos, a velocidade dos dias. A beleza nasce da tempestade. E Lisboa nunca se destacou pela calmaria.

 

PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário