terça-feira, 11 de novembro de 2014

Jogos de sorte

Nos jogos de sorte, devemos desistir quando estamos a ganhar. Foi isso que fiz. Tive a sorte de a encontrar, então desisti de procurar. Não sou, no entanto, imune à beleza feminina, aos desafios verbais, à força de algumas personalidades mas, no final das contas, nada disso se compara à forma como ela me desarma, sem saber que o faz.  Quando olho em volta, tudo se resume a ela. Ao jeito de ela me adivinhar. Claro que o desconhecido é um atractivo. É impossível negá-lo. Mas chega uma altura em que nos cansamos de explorar. Em que tudo o que queremos é alguém que entenda o que dizemos, mesmo quando nada dizemos. Alguém que nos adivinhe. Alguém que seja o mesmo jogo, mas com um nível diferente todos os dias.


PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário