domingo, 29 de maio de 2016

Sem título

Prenderam-me o coração
numa gaiola de
ossos, e carne, e pele
Tinham medo que ele voasse
                                                       livre
e nunca mais voltasse
Mas ele acaba sempre por voltar:
ou por mais comida, ou por mais água, ou por mais amor
Às vezes de asas partidas.
É o preço da
                      liberdade

PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário