sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Imagem

São duas da tarde e a paisagem que se estende para lá dos meus olhos é uma imagem familiar: mar, areia, sol, cidade, azul, verde. Mesmo que neste momento feche os olhos a imagem continuará a existir, por dentro e por fora, igual, com mais ou menos pormenor. No entanto, por muito que vos queira mostrar, por palavras, esta imagem, este lugar, a tarefa aparenta-se impossível. Repito-vos: mar, areia, sol, cidade, azul, verde. E para vocês nada disto fará algum sentido. Talvez arranjem as palavras à vossa maneira e criem um lugar que não é este de que vos falo. As dificuldades da escrita passam muito por aí. Por esta projecção de tudo o que temos cá dentro através das palavras. Não é fácil. 
Quando comecei a escrever, ainda miúdo, diziam-me que escrever não era vida para ninguém, ser artista é muito difícil. Quando comecei a partilhar diziam-me para guardar as palavras nas gavetas, não devemos partilhar o que sentimos. Quando comecei a ter alguns seguidores havia quem me dissesse para estar quieto por não ter jeito nenhum para escrever. Agora que estou onde estou, a fazer o que faço, dizem-me que nunca chegarei onde quero chegar.  E enquanto o caminho se perpetuar, durante o curto momento que é a minha vida, continuarei a ser demovido de avançar, a ser tentado a cair na inércia: por ser difícil, por não ser suficientemente bom, por dever seguir as direcções que todos os outros apontam.
É verdade: não é fácil. Viver, escrever, amar, crescer, navegar, construir. Tudo o que nos constrói requer esforço. Porque o mundo, como existe, é uma máquina de destruir. Daí ser tão fácil nos destruirmos uns aos outros, nos desacreditarmos uns aos outros, mas tão difícil construir. O mar bate constantemente na pedra, mudando-lhe a forma, o vento arredonda-lhe as esquinas, ambos a vão transformando em areia, ao longo do tempo. Mas por mais que o tempo passe, o mar, o vento não transformarão a areia novamente em pedra. Acho que somos todos um pouco como aquela pedra, exposta aos elementos. Sabemos que no fim seremos areia, porque a realidade é perita em destruir-nos, mas, enquanto vivermos, vamos resistindo, fiéis à nossa génese, e ao nosso propósito mundano. 

Uma última imagem:
onda,
pedra,
espuma,
cidade,
azul, 
verde, 
casa,
horizonte


PedRodrigues


2 comentários: