terça-feira, 2 de maio de 2017

Maio

Falavas-me em Maio, como quem se demora numa conversa que espera nunca mais acabar. Eu ouvia-te com atenção, porque não conseguia deixar de pensar em como podias dar abrigo no teu peito às andorinhas, às chuvas de Abril que nunca chegaram, a todos os grãos de areia de todas as praias que pisámos. Podias dar abrigo a tudo isso, e tudo isso me parecia demasiado pouco para amar, porque os teus olhos se confundiam com um horizonte que teimo em tentar agarrar. Mas tudo de ti me foge ao controlo e talvez seja essa uma das razões para te amar tanto: essa fúria descontrolada que trazes por dentro, esse mar revolto de Janeiro, que quebra com força na areia e nos obriga a parar e pensar que o mundo talvez seja um lugar perigoso, talvez o  mar seja um lugar perigoso, e no entanto é um lugar que procuramos para que nos dê algum conforto, alguma paz. E é desnecessariamente Maio, com todas as suas cores e toda a sua beleza. A cidade sai à rua e tudo se segue em consequência, porque a vida é mesmo assim. Tenho saudades de te ouvir falar de Maio - e de todos os outros meses. Porque enquanto me falavas eu existia em todo esse tempo, era herói e vilão, fazia parte de todas essas histórias que agora recordo com saudade. E acredito que o teu mar não tenha acalmado, mesmo estando nós próximos do verão. Não acredito que todas as tuas tempestades se tenham transformado em céus azuis. Não acredito. Acredito que continues indomável, meu amor: mesmo que seja Maio, ou outro mês qualquer.



PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário