domingo, 17 de julho de 2016

Flores selvagens


Eram flores selvagens. Amores perfeitos não nascem em vasos. São livres, como a brisa que ainda sopra no verão da nossa infância. Nesse tempo em que tudo parecia mais simples. Onde tudo parecia fácil, como fechar com força os olhos e imaginar outros lugares: praias lindíssimas, lugares na lua, casas junto a quedas de água. E, hoje, tu ao longe, como os amores perfeitos, tão selvagem, tão dona de ti, tão senhora de todas as razões. Eu aqui, atrás do vidro da janela, a olhar-te a crescer, em silêncio, com medo de te assustar, ou de provocar um vento que te leve. O amor passa-nos depressa, como o queimar de um cigarro. Ficam as cinzas do que noutros tempos ardeu. Não há chama que dure para sempre. Não há chama que dure sem consumir outros elementos. Tu de um lado do vidro, eu do outro. As tuas cores sem se misturarem com as minhas. O teu cheiro pelas almofadas e pelos lençóis ainda amarrrotados de todas as batalhas de amor. Não há guerra que dure para sempre. No campo, depois da guerra, nascem as flores, por entre as beatas. Falaram-me de haver uma forma de atravessar o vidro sem me cortar. De um país para lá do teu reflexo. A viagem é difícil. Talvez porque depois do adeus não há jornadas fáceis, talvez porque as saudades se descuidem líquidas pelos olhos, como um aguaceiro a anunciar outros começos. Lembrar-me-ei para sempre da rebeldia selvagem com que fugias à prisão dos vasos. E eu que te queria a crescer dentro de uma caixa, junto do meu coração. Eu que te queria, mas tu não.

 

PedRodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário