quarta-feira, 20 de julho de 2016

Num dia de sol


Naquela tarde o mar estava sereno. As ondas eram pequenas espumas intermitentes, contando os segundos entre os gritos dos miúdos que construíam castelos à beira da água. Eu olhava-os e imaginava salões enormes, feitos de areia molhada e conchas, uma varanda onde pudéssemos ver o mar de mãos dadas - não só naquela tarde, como em todas as tardes do resto das nossas vidas. Ali tudo era nosso. O teu nome entre as rochas, escondido, com medo da subida das águas, seria para sempre essa certeza dura - mesmo nos dias de tempestade, em que tudo se revolta em tom de batalha. Mas, naquela serena tarde, estavas tu, de cheiro a mar no cabelo, a contar o tempo das ondas e a tentar adivinhar quantos horizontes tem o infinito. No céu nuvens desenhavam formas aleatórias que dizíamos serem coisas concretas: animais, rostos, máquinas. Tudo se compunha de acordo com a nossa imaginação: assim fosse a vida. Naquela tarde tudo era nosso. O tempo jogava a nosso favor: tínhamo-lo todo só para nós. Podíamos moldá-lo à nossa maneira, construí-lo juntos, como os castelos dos miúdos feitos com a areia molhada. E abrir uma janela, com uma varanda e vista para o mar, onde nos pudéssemos sentar, até sermos velhinhos, a inventar formas à teimosia das nuvens.  

 

PedRodrigues

1 comentário:

  1. Gosto de ler os teus posts Pedro, mas se pusesses adicionar uma imagem, não achas que embelezava o texto? É só uma sugestão! Não é crítica.

    ResponderEliminar